5 TIPOS DE PARTO Mais Usados! Dúvidas Comuns


O parto é um dos momentos mais importantes para a mãe e o futuro bebê. É quando uma nova vida chega ao mundo depois de longos meses de espera e cuidado, o primeiro contato entre mãe e filho, talvez pai, mãe e filho, o momento de finalização da gestação e início da nova vida fora do ninho.

Por muitas décadas foi apenas um trabalho de mãe, filha e talvez ajuda de parteiras, mas com o avanço da medicina e instrumentação cirúrgica, há uma diminuição dos riscos e maior segurança para a mamãe.

Os tipos de parto

Parto normal

O mais conhecido de todos os tipos e um dos mais antigos praticados em anos que a medicina não tinha evoluído tanto. O corpo feminino é biologicamente projetado para gerar vidas, por isso ele se molda para a gravidez, manter o feto e a chegada do nascimento, quando a bolsa estoura e é o momento de dar a luz.

  • No parto normal é a mulher responsável por todo o grande trabalho mas com ajuda médica, devendo  empurrar a criança para fora fazendo força.
  • Médicos e enfermeiros devem estar preparados no centro cirúrgico para uma eventual cesária caso aconteça algum problema e seja necessária a retirada da criança por cirurgia.parto normal
  • A criança chega ao mundo pela vagina quando sua dilatação (abertura do canal) chega a 11 centímetros, considerada a elasticidade ideal, mas pode nascer com 8 ou 9 sem problemas.
  • Caso não haja abertura e tenham sido notados riscos para a criança ou mãe, pode haver um corte no períneo (pele entre a vagina e o ânus) para dar passagem ao bebê.
  • No geral preza-se pelas contrações normais, mas pode-se usar ocitocina para estimular o trabalho de parto.
  • Apesar da gestação feminina durar 9 meses, o parto normal pode acontecer antes disso. As vezes a criança desenvolve rápido e já está apta para vir ao mundo, então começam as contrações (movimentos da criança querendo vir ao mundo) e a bolsa estoura.
  • É considerado comum crianças nascerem com seis meses, mesmo com mais riscos e necessitando ir para a encubadora, mas o normal mesmo é a partir dos 8 meses. Os obstetras orientam a deixar tudo pronto a partir dos 7 meses, quando tudo pode acontecer.

Parto Natural

Não é a mesma coisa que um parto normal. É raro hoje em dia pela assistência médica ao alcance de uma boa parte da população, mas acontece bastante em números que a Organização Mundial de Saúde não gostaria e é como nossos ancestrais davam a luz, talvez sua avó ou bisavó do interior.

Neste tipo de parto não há qualquer interferência médica, mas a mãe deve estar preparada para não tomar medicamentos para forçar o parto e sentir as dores naturais. Há a presença do pai, uma assistência médica e pode ser feito no hospital ou em casa, conhecido como parto humanizado.
parto natural

tipos de parto normal

Indica-se para a mãe algumas atividades físicas bem interessantes para ajudar no momento do parto como ioga para relaxamento e preparo do corpo, pilates, meditação, dentre outras. Quanto mais preparada a mãe tiver, mais rápido e saudável será o parto. Poucos médicos indicam, mas há um enorme debate se é pensando na saúde da mãe ou nos lucros médicos com o sistema.

Cesária

Hoje é considerado um dos procedimentos mais comuns nos hospitais, também conhecido no parto programado.

  • A criança é retirada por cirurgia com corte abaixo do umbigo de em média vinte centímetros para a criança ser removida com segurança. Uma anestesia da cintura para baixo é aplicada, a peridural, e a mãe não sente dor alguma, mas continua acordada e pode dar o primeiro beijo no bebê, sentir seu toque e ouvir seu choro.
    parto cesariano
  • Apesar de ser indicado apenas quando há riscos, hoje muitos pais preferem e médicos indicam este tipo de parto por ser programado.
  • O conforto de ter uma data certa para nascer acaba deixando os pais receosos de esperar a bolsa estourar, correr o risco de não ter leito ou quarto particular ou seu médico não poder atender.
  • Em 2014 cerca de 88% dos partos foram cesarianas, gerando diversos debates, porque a Organização Mundial de Saúde recomenda que apenas 15% deste número.

Parto a fórceps ou parto por vácuo extrator

Apesar de ser evitado pelos médicos, este tipo de parto é mais indicado quando a criança não consegue sair.

  • É usado um instrumento cirúrgico (uma espécie de ventosa de metal) a vácuo para mover a criança, ou puxando pela cabeça ou abrindo espaço para o bebê ser removido.
  • Só é usado quando não há a possibilidade de um parto normal é há sofrimento fetal.

Parto humanizado

Estudos mostram que a cesariana, o método mais praticado no Brasil, é um dos tipos de parto mais agressivos para o bebê. O primeiro contato da criança com o mundo é por meio de puxões, as enfermeiras já acostumadas com a rotina não costumam ser delicadas e ela não seleciona o momento de nascer e a mãe fica à mercê dos médicos, nem sempre com o melhor tratamento.

Por isso ganhou força o parto humanizado, proposta em que a mãe dá a luz por método natural, mas com assistência apenas como guia.

  • Podem estar presentes o pai, até os filhos do casal e sempre uma assistência médica, como a doula, uma obstetra (pode ser homem também) para ajudar no corte do cordão umbilical (mas o pai pode fazer para aumentar o grau de intimidade com o filho) e prestar os primeiros socorros caso algum problema surja.
  • Assim como o parto normal, é necessário esperar o momento do beber nascer, quando a bolsa estourar.
  • No geral é feito em casa e de cócoras para a criança nascer naturalmente e na melhor posição para a gravidade ajudar, mas pode ser deitada também.
  • Os cuidados necessários são simples, com ambientação limpa, materiais higienizados e claro, paciência porque pode demorar um pouco mais. Ao primeiro sinal de problemas, mãe e filho devem ir para o hospital.

A escolha do tipo de parto não é uma decisão fácil e deve-se avaliar diversos pontos, como os exames pré natais, a saúde da criança e da mãe e especialmente o preparo psicológico da mãe e seu medo de ter filho naturalmente, com o mínimo de intervenção médica.

Partos naturais não são indicados para mulheres hiper tensas, com diabetes, problemas cardíacos, portadoras de HIV e outras doenças que podem por em risco a vida de ambos.

O obstetra tem por responsabilidade ofertar todas as opções sobre qual o melhor tipo de parto, como seria e explicar o passo a passo, sem assustar a mãe. A decisão também pode ser modificada a qualquer momento, como em caso de risco para criança e bebê iminente.

O video a seguir é muito importante para todas que estão com dúvidas e desbanca mitos


You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *