Estrias na Gravidez – Como Evitar, Principais Causas & Tratamento!

A gravidez é um momento lindo e repleto de amor, mas nem tudo são flores e as estrias na gravidez podem ser um grande problema para muitas mulheres.

A verdade é que isso é algo bem comum de acontecer e pode atingir de 70 a 90% das gestantes, ou seja, há uma grande chance de ter estrias na gravidez.

E se você está planejando engravidar ou já está grávida e repleta de dúvidas sobre as estrias que costumam aparecer durante a gestação, no post respondemos às dúvidas e ainda damos dicas de como evitar estrias na gravidez.

dicas e cuidados

 

Sobre as Estrias na Gravidez

O que São Estrias?

As estrias durante a gestação costumam aparecer a partir do terceiro trimestre de gravidez, que é quando o crescimento do bebê é mais acelerado e a pele tende a esticar mais. E é esse “estica estica” da pele que causa estrias na gravidez.

Apesar da pele ter elasticidade para enfrentar variações de peso, essa flexibilidade tem um limite, e durante a gestação o ganho de peso costuma ser bem mais acelerado, principalmente no último trimestre.

Com o ganho acelerado de peso e a necessidade de elasticidade da pele para acompanhar o crescimento da barriga, as fibras elásticas podem sofrer lesões, que o próprio organismo tenta sanar com a cicatrização dessas lesões. E é essa cicatrização que marca a pele e é chama de estrias.

As estrias durante a gestação costumam aparecer na região abdominal, local onde há mais esgarçamento da pele e lesão das fibras elásticas.

o que é
As estrias costumam aparecer a partir do terceiro trimestre

Como São as Estrias na Gravidez?

Como já dissemos acima, as estrias na gravidez costumam se intensificar a partir do terceiro trimestre, que é quando a pele tende a ficar mais elástica para acompanhar o ganho de peso e crescimento do bebê.

Durante o aparecimento das primeiras estrias, é notável que essas fiquem em tom rosado e levemente avermelhado, indicando que houve uma lesão das fibras e dando sinais de inflamação.

como é
As estrias costumam ficar vermelhas e depois esbranquiçadas

Nessa fase, nota-se que a pele na região das estrias parece mais fina e delicada, além de causar uma leve sensação de coceira.

dicas
A inflamações costumam coçar

Com a cicatrização da lesão nas fibras elásticas, as estrias vão mudando de cor e passam a ficar esbranquiçadas, simbolizando a cicatrização e ficando mais marcadas na pele.

 

Quais as Principais Causas? #Riscos

As estrias na gravidez podem estar associadas a uma série de causas e riscos que podem aumentar a chance de ter tais cicatrizações durante a gestação. Entre essas causas e riscos, estão:

  • Alterações Hormonais: não é segredo para ninguém que durante a gestação o organismo sofre alterações hormonais e a produção de alguns hormônios como estrogênio, relaxinas e cortisol, podem afetar as fibras elásticas. Esses hormônios podem deixar as fibras mais frágeis e suscetíveis a rompimentos, e com esses rompimentos o organismo gera a cicatrização, que leva à formação de estrias.
  • Histórico Familiar: a genética familiar é um fator de peso para o aparecimento de estrias na gravidez. Isso porque as mulheres que possuem casos de estrias na gestação em suas antecedentes podem ter maior tendência ao aparecimento dessa cicatrização na pele. Ou seja, se sua avó ou mãe teve estrias durante a gravidez, há maiores chances de que você também tenha.
  • Idade Da Grávida: a idade é outro fator que pode causar estrias durante a gestação. Isso porque mulheres de até 25 anos costumam ter a pele mais firme e isso reflete na maior fragilidade das fibras elásticas que podem romper com mais facilidade, sendo assim as gestações até essa idade podem estar associadas a maior aparecimento de estrias. Já as mulheres entre 30 e 35 anos possuem a pele um pouco menos firme, e isso deixa as fibras elásticas menos suscetíveis ao rompimento, o que diminui as chances de ter estrias durante a gestação.

causas e riscos

  • Primeira Gravidez: a primeira gestação pode estar associada a uma série de descobertas, e uma delas é a possibilidade de ter mais estrias. Com as gestações seguintes, a pele já sofreu com a elasticidade e tende a estar mais flácida, o que diminui o rompimento de fibras elásticas e diminui o aparecimento de estrias na gravidez.
  • Peso: o peso pode influenciar de duas maneiras o surgimento de estrias na gravidez. A primeira maneira é o peso do feto, que quanto maior e mais pesado for, pode fazer com que haja mais elasticidade e consequentemente rompimento das fibras. O outro fator é o ganho de peso durante a gestação, que quanto maior também influencia na elasticidade e rompimento de fibras.
  • Predisposição a estrias: para as mulheres que já tendem a ter estrias antes mesmo da gestação, o risco de ter as marcas dessas cicatrizações durante a gravidez é ainda maior.

 

Como Evitar?

Há diversos estudos sobre métodos efetivos de evitar estrias na gestação, no entanto, as causas e fatores de risco não podem ser totalmente minimizadas, e algumas dicas podem ajudar na prevenção, mas nenhum método garante o não rompimento das fibras elásticas e o aparecimento de estrias.

Entre as possibilidades para evitar estrias na gestação, uma dica dada por muitos médicos é de manter a pele bem hidratada. Para isso, cremes liberados para gestantes e óleo de amêndoa devem fazer parte da rotina das grávidas. O ideal é sempre passar esses cremes nas regiões que tendem a sofrer mais com a elasticidade, como abdômen, glúteos e seios.

dicas para evitar
Os cremes devem ser indicados para grávidas

Além de manter a pele hidratada com o uso de cremes e óleos, beber água com regularidade e manter uma alimentação equilibrada podem prevenir o aparecimento de estrias na gravidez.

como evitar
A alimentação e a ingestão de água podem diminuir as chances de estrias

Qual o Tratamento?

Durante a gravidez o melhor tratamento é a prevenção, usando métodos que ajudem a evitar o rompimento das fibras elásticas.

No entanto, se as estrias realmente aparecerem, o ideal é esperar o nascimento do bebê para aderir a tratamento que podem minimizar e muito a aparência das estrias.

tratamentos

Na fase pós parto, os tratamentos podem ser a laser (Laser CO2 fracionado, Fraxel),  com preenchimento de ácido hialurônico, com aplicações de ativos (Intradermoterapia), luz pulsada, introdução de gás carbônico (Carboxiterapia), peelings (de cristal ou químico), entre outros.

O tratamento adequado deve ser avaliado por um profissional, que indicará qual o mais eficaz para cada tipo de estria, além disso, é importante também a orientação e aval médico para as lactantes.

 

 

Agora é aproveitar as dicas e sempre procurar orientação médica para sanar outras dúvidas ou aderir a algum tratamento.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.