Parto Fórceps – O que é, Principais Riscos & Dúvidas Frequentes


Com as diversas polêmicas envolvendo a cesariana cresce o número de mães aderindo ao parto natural. Mas nem sempre é possível realizar o procedimento de forma totalmente biológica como a natureza permite, então os médicos podem ajudar a preservar tanto a saúde do bebê como da mãe. Uma das opções é o parto fórceps. Saiba mais sobre ele.

o que é o parto fórceps

Parto Fórceps: Dúvidas Frequentes

O que é?

O parto fórceps é um tipo de nascimento utilizando um instrumento cirúrgico para auxiliar na retirada do bebê. O aparelho parece uma grande colher, a ser preso na cabeça do recém nascido e facilitar a sua remoção da barriga da mãe.

Pelos médicos é considerado um parto normal uma vez que não o uso de bisturi para corte e remover o bebê pela barriga. Ele é vaginal e acompanha as contrações, sendo autorizado quando a mãe já está em trabalho de parto e a criança em iminência de sair mas por algum motivo não consegue fazer sozinha. Mas não é totalmente natural e você vai entender porque a seguir.

Como é o Procedimento?

Durante o nascimento o parto fórceps só é iniciado quando há a necessidade de dar uma ‘ajudinha’ ao bebê com o nascimento. O instrumento é encaixado na cabeça do bebê e com a ajuda da força física do médico ele é removido. É como puxar um objeto com ganchos mas de forma mais suave e com o encaixe perfeito na cabeça do recém nascido.

O parto natural envolve a expulsão da criança de dentro da barriga logo após a bolsa estourar. Esse processo natural é realizado por contrações e o corpo da mãe com força. Mas em alguns casos mesmo a força da mulher não ajuda a tirar a criança pela posição do bebê ou a passagem não ser a ideal. Então cabe ao médico intervir para ambos não sofrerem e causar a morte prematura.

A extração da criança deve acontecer o mais rápido possível. O acessório médico é encaixado na cabeça através da vagina e então acontece a puxada. São segundos que em muitos casos são indolores para mãe e garantem a segurança da vida de mãe e filho.

Por que Usar este Tipo de Ferramenta?

Quando por motivos diversos o bebê não consegue sair e a bolsa estourou há algum tempo o bebê pode começar a sufocar e começa a colocar a sua vida em risco. A indução de parto com medicamentos não é necessária porque o trabalho já começou, é só retirar a criança o mais rápido possível. Começa então o parto fórceps.

A decisão na maior parte dos casos é do médico, mas o pai pode ser consultado e a mãe dependendo do estado de ambos. O movimento rápido da equipe de médicos e do obstetra garantem a sobrevivência de um bebê já em trabalho de parto há um tempo. Há uma avaliação rápida se com a posição da criança ela vai conseguir mesmo sair sozinha ou não.

instrumentos usados no parto fórceps

Fórceps X Ventosa: Qual a Diferença?

Apesar do o nome ainda ser ‘parto fórceps’ para todos os tipos, existem dois métodos. Um é mais antigo, considerado ‘tradicional’ com o qual se usa um instrumento de metal conhecido como fórceps. Ele é encaixado na cabeça da criança com uma puxada ela é removida pelo canal vaginal.

Já o segundo instrumento, considerado mais moderno, é uma ventosa em plástico cirúrgico e já usada há mais de 10 anos no Brasil. Este é encaixado na cabeça do bebê e com o vácuo consegue remover a criança em perfeito estado também com um pouco de força física do médico.

Em ambos os casos o processo é rápido e indolor para mãe e filho.

ventosa do parto fórceps

Ventosa do parto tipo fórceps

instrumento do parto fórceps tradicional

Instrumento fórceps

 

Quais os Riscos para a Mãe e o Bebê?

Existem alguns mitos envolvendo o parto fórceps circulando online e entre as mães. Uma delas é que causa danos graves ao bebê. Os boatos foram motivados porque nos anos 60 e 70 eram usados sem critérios. Quando o médico tinha um pouco de ‘preguiça’ de esperar o parto acontecer naturalmente o instrumento era colocado em prática.

Lógico que estamos falando de uma época em que a medicina não estava voltada para o parto humanizado e a importância do procedimento natural. E mesmo destas duas décadas para trás não há relatos comprovados de danos para as crianças.

Como o parto fórceps é um procedimento de emergência a ser feito apenas quando há necessidade, não envolve riscos. Muito maiores podem ser os danos da criança continuar na barriga sem conseguir sair, podendo sufocar facilmente e sofrer com problemas de oxigenação cerebral em seu organismo frágil e em formação.

Os obstetras usam os instrumento de forma sábia e na maior parte dos casos como último recurso. Mas podem surgir algumas consequências negativas como a espitomia. Isso nada mais é que um pequeno corte períneo (na região da vagina ao reto) para dar melhor passagem para o instrumento e o bebê. Contudo, o pequeno corte só é realizado quando não há passagem suficiente.

No geral não há danos para a criança ou o bebê. É apenas uma ajuda com critérios médicos. Quando a mãe está exausta de empurrar pode ser um auxílio.

Como é o Pós-Parto?

Como o parto fórceps é apenas uma ajuda para a criança sair saudável do corpo da mãe, não há nenhum problema com o pós operatório. Sendo usado o instrumento sem cortes ela naturalmente sai do hospital como qualquer parto normal, com a recuperação em menos de dois dias.

O único caso em que exige-se mais cuidados é quando houve a necessidade de uma espitomia. O corte na região da vagina exige asseio um pouco mais cauteloso, limpeza e movimentos suaves sem esforço nos primeiros dias para não romper os pontos.

tudo sobre o parto fórceps

Quais as Consequências deste Tipo de Parto?

Os médicos discordam bastante sobre o que causaria um parto com o uso de fórceps para os bebês. Alguns muito ligados ao parto humanizado tentam tratar esse tipo de parto como agressivo. Outros discordam porque o procedimento deve ser usado apenas quando necessário.

Não há indicações médicas que o parto fórceps cause danos permanentes. Se a instrumentação for usada de forma correta a criança sai sem danos e a mãe também.



COMPARTILHE COM AMIGOS!

Mais Dicas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *