Guia Completo do Parto Natural: Respostas Para as Principais Dúvidas & Vídeos

Entre tantas maneiras de dar à luz, existe uma que vem tomando uma proporção positiva cada vez maior: o parto natural. Como as técnicas do conhecido parto normal têm sido muito questionadas, por causa da indução com medicamentos, fórceps, anestesias, entre outros, esse modo sem intervenções tem entrado nas discussões acerca da maternidade no Brasil e no mundo.

Hoje vamos explorar esse assunto de forma didática, respondendo às principais questões relacionadas ao parto natural, inclusive mostrando as diferenças que ele possui de outros tipos de parto.

Vale lembrar que não queremos mostrar que o parto natural é o melhor a se escolher. Há diferentes modalidades, cada uma com suas características e com potencial de agradar futuras mães com concepções diversas.

Acima de tudo, é importante que a gestante converse sempre com seu médico durante o pré-natal, principalmente sobre o tipo de parto desejado. É essencial que o desejo da mãe deve ser considerado, levando em conta seu estado de saúde e do bebê também. Sempre há riscos e eles devem ser esclarecidos ao longo do período gestacional através de exames e consultas.

Confira com a gente o post completo sobre parto natural, tire suas dúvidas e descubra se este é realmente o modelo de parto que você deseja para dar à luz seu filho ou filha. Acompanhe!

Parto Natural: Dúvidas Frequentes

O parto natural está na boca do povo, ou melhor, das mães, gestantes e de parte da classe médica. Alguns especialistas são a favor, outros, acreditam nos riscos dessa prática, por não contar com intervenções médicas durante o processo do nascimento da criança.

Apesar de estar em alta, é um dos partos com menos adesão no Brasil por conta da grande influência que a medicina tem na vida das pessoas, sobretudo em relação às facilidades que ela proporciona. A tecnologia empregada em uma cirurgia, como a cesariana, por exemplo, enche os olhos de muitas mães, pois imaginam ser o método com menos complicações, afinal, você não sente dor na hora.

Sem contar que muitas mulheres sofrem com atendimentos médicos precários, com especialistas que não conseguem priorizar o que as mães querem e que indicam o parto cesárea, pois é o mais caro, o mais rápido e que dá para agendar.

***Gestantes que passam por essa situação, que percebem que seus obstetras não as deixam escolher o tipo de parto, devem rever esse atendimento. A sugestão é procurar outro profissional, que garanta sua liberdade e esteja pronto para realizar o acompanhamento de sua decisão.

Sendo assim, frisamos que não há o parto ideal. Você é quem deve saber o que quer para esse momento importante, considerando sempre as condições do bebê e as suas, claro. Seja parto cesárea, normal, natural, humanizado, enfim, siga as recomendações para ter uma gravidez saudável e receber seu filho da melhor forma possível.

O que é?

Podemos classificar o parto natural como aquele que é realizado sem qualquer intervenção médica, seja de medicamentos, de anestesias (como a raqui) e substâncias que aceleram o processo do parto, além de fórceps, posições que podem ser incômodas e tratamentos inadequados, que não permitem total relaxamento da grávida.

Escolhendo o parto natural, a futura mamãe encaminhará sua gravidez de uma forma natural também, como o próprio nome diz. Desta forma, o parto deve ocorrer naturalmente, no tempo normal, seguindo o que o corpo da mulher determinar, afinal, o bebê vai tomando espaço direitinho no ventre da mãe até a hora de vir ao mundo – é algo simples e que pode permanecer simples por meio do parto sem intervenções.

A mulher é considerada responsável por suas ações neste tipo de parto e participa de forma ativa em todo o processo. Ou seja, ela que determina a força que pode fazer, os meios de aliviar suas contrações e dores, a posição que deseja ficar na hora do parto, entre outras ações.

Hoje em dia há as doulas especialistas em parto natural, que podem acompanhar o nascimento do bebê e até mesmo a mãe no período gestacional. Elas vão auxiliar a grávida durante o parto, acompanhada também de um médico obstetra, que devem estar equipado com todos os aparatos necessários caso haja algum problema imprevisto.

Quais suas Principais Vantagens?

Bom, você deve estar se perguntando quais são as vantagens de escolher o parto natural e não o normal ou outro tipo, não é mesmo?

A principal delas é a sua autonomia, que será garantida no momento do parto. Os especialistas no assunto costumam dizer que a mulher torna-se a única responsável por trazer o bebê ao mundo, já que não haverá intervenções médicas.

A gestante não fará ingestão de analgésicos ou outros medicamentos, nem mesmo anestesias. Será ela a controladora de sua dor, fazendo aquilo que achar melhor para aliviá-la. Desta forma, ela poderá caminhar, tomar banho, deitar, ficar na banheira ou na cama.

Outro benefício é a presença mínima de efeitos colaterais, afinal, como não serão tomados medicamentos ou anestesias, a mulher quase não sentirá dores posteriores, coceira, inchaço, gases, entre outros sintomas comuns àquelas que fazem cesárea e recebem anestesia ou substância para indução do parto.

A mãe que opta pelo parto natural poderá escolher qual posição lhe deixa mais confortável para receber o filho em seus braços. Ela não será imobilizada com as pernas para cima, como é comum no parto normal.

O bebê só virá ao mundo na hora dele, quando ele estiver pronto, sob o comando de sua mãe. É isso que pregam os defensores desse tipo de parto, que o consideram um ato de amor.

Além disso, quando a mãe está acompanhada de entes queridos e de seu (sua) companheiro (a), poderá receber massagem para relaxar ou alguma outra ajuda para tentar abstrair a dor, incômodo, ansiedade, e demais sensações que podem atrapalhar na chegada do bebê.

Dói?

O medo da dor é um dos principais responsáveis para a mulher largar mão do parto natural e se render à cesárea ou à indução no parto normal para não sentir tantas contrações. Muitas caem até na tentação de agendar o dia do nascimento de seu bebê para se preparar psicologicamente, não ter surpresas, dar tempo de fazer todos os exames, entre outros. Mas, pasmem, até na cesariana a mulher sente dor e ricos, afinal, é uma cirurgia como qualquer outra e a recuperação tende a ser mais traumática até.

Primeiramente, precisamos dizer que a dor do parte existe para qualquer mulher – não é um mito. Tem mulher que tem uma tolerância maior e mulher que é super sensível à dor. Além disso, o medo e a ansiedade podem influenciar no momento do parto, intensificando a dor que já é natural. Por isso que o pré-natal é muito importante não só para o desenvolvimento da gestação como para a preparação para o parto.

É durante os meses de gravidez que a mulher vai se preparar para fazer o parto natural. Ela deve entender as mudanças que acontece com o seu corpo, como ele vai se preparando para que o bebê saia, as contrações, o que se pode fazer para relaxar, as fases do trabalho de parto, a importância da presença de alguém de confiança na hora do parto, de uma doula e de um médico competente, etc.

A dor decorrente das contrações e da força que é feita para que o bebê saia é muito normal a todas as mulheres, vai depender da sensibilidade de cada uma. Todavia, quando termina, a dor costuma amenizar e em dois ou três dias a mãe já está totalmente recuperada para retomar a rotina.

Existem várias maneiras que podem ajudar a lidar com o desconforto e a dor, como compressa com bolsa térmica quente, massagens, posições mais confortáveis, banho de chuveiro ou de banheira, entre outros.

Caso a dor fique muito insuportável, a gestante pode optar pela anestesia peridural no decorrer do parto. Por isso é essencial contar com a presença de um médico com todos os medicamentos e equipamentos necessários na hora da chegada do bebê.

Existem Riscos?

Como qualquer tipo de parto, há riscos tanto para a mãe quanto para o bebê caso haja complicações. Problemas com a pressão arterial, com o cordão umbilical, hemorragias, infecção, enfim, alguns que podem vir a ocorrem em todos os tipos de parto, independente se acontece no hospital ou em casa, com doulas ou intervenções médicas.

Entretanto, caso ocorra alguma complicação, é necessário que a mulher receba atendimento médico especializado imediatamente, e pode ser que o parto natural tenha que ser deixado de lado para recorrer a outro método, como a cesárea.

Tudo deve ser feito para garantir a saúde do bebê e da mãe, e do nascimento seguro. Se o parto natural é a sua preferência, não deixe de conversar com o seu obstetra sobre essa possibilidade e iniciar o quanto antes o acompanhamento da gestação para que não haja nenhum problema na hora do parto.

Como se Preparar para o Parto?

Como falamos anteriormente, o parto natural sem complicações ocorre quando a mãe se prepara no pré-natal. Conhecer tudo sobre esse tipo de parto é o primeiro passo para se sentir segura e estar ciente de todas as etapas.

É preciso também se cercar de pessoas que apoiem a sua decisão, desde seu companheiro e familiares, até os especialistas que acompanharão sua gravidez, como o médico e a doula. Durante a gestação, esses dois profissionais irão te auxiliar quanto aos exercícios e tratamentos que você pode recorrer para fortalecer o períneo para um parto tranquilo, as contraindicações, os alimentos que ajudam, enfim, uma série de recomendações que variam de mulher para mulher.

Além disso, é importante decidir o local para o nascimento do bebê. Este deve ser adequado para o parto natural, limpo, com uma iluminação agradável e que não esteja localizado muito longe de um hospital, caso ocorra alguma emergência.

Outra dica é se informar com mães que tiveram a experiência do parto natural para saber como elas se prepararam, se sentiram muita dor, se aconteceu algum imprevisto, os itens necessários, os exercícios, técnicas de relaxamento, etc., e até pedir contatos de médicos e doulas de confiança, caso você não tenha,

Quais os Cuidados Pós-Parto?

Depois que o bebê nasce, surge a preocupação de lidar com as novas emoções, novas experiências e de restabelecer o corpo, todo transformado com a gestação. Por ter vivido um período de grandes alterações emocionais, físicas e hormonais, a mulher deve respeitar um período de cerca de 40 dias de recuperação, conhecido como puerpério, resguardo ou quarentena. Neste tempo, a mulher deve saber que há cuidados a serem seguidos.

No pós-parto, cerca de 80% das mães sentem um mix de tristeza e insegurança, cujo estado pode durar uns 15 dias, e é classificado pelos médicos como baby blues. Caso esse problema persista, ganhando outros tipos de mal-estar como falta de apetite e de sono, de concentração e de interesse em qualquer atividade, no bebê, enfim, pode significar uma depressão pós-parto. Mas só um médico poderá fazer esse diagnóstico.

Mesmo depois do parto natural, a mulher deve procurar algum método contraceptivo, principalmente depois da 7ª semana. Há o DIU de cobre ou com progesterona ou a minipílula, à base do mesmo hormônio, que são os mais indicados por não interferir no leite materno.

Vale saber também que o sangramento comum nos primeiros dias será mais intenso se o parto tiver sido normal ou natural. Isso se deve ao fato da retirada da placenta ter estimulado a expulsão dos tecidos remanescentes, promovendo a regeneração uterina.

O processo de recuperação torna o sexo proibido no puerpério, portanto, é necessário que o parceiro tenha consciência disso. Apesar dessa regra, vocês podem namorar de outras formas e esperar juntos esse momento bonito de retorno à vida normal.

Natural X Normal X Humanizado: Qual a Diferença?

Ao longo do texto demos diversas dicas de como ocorre o parto natural e quais são suas características e mostramos que ele se diferencia do parto normal. Muitas pessoas ainda confundem o parto natural com normal e quando chegam na consulta médica descobrem que não é nada daquilo que imaginavam.

O parto natural se caracteriza pela total autonomia da mulher. Ela se torna a responsável por tudo, do início das contrações até a chegada do bebê em seus braços, já podendo mamar e sentir o colo da mãe. O parto humanizado também ocorre de maneira semelhante.

A mãe, no parto natural, pode até mesmo auxiliar no momento da saída do bebê, com suas próprias mãos se isso for algo confortável a ela. O parceiro e uma doula de confiança também podem ajudar nesse processo, tranquilizando-a, fazendo massagens, tocando música, etc.

Também não precisará de sonda urinaria ou medicação para auxiliar e muito menos de aparelhagem para tirar o bebê de dentro do ventre. O objetivo do parto natural e do parto humanizado o bebê só sairá quando estiver pronto.

Já o parto normal, apesar de ser realizado também através do canal vaginal, e oferecer uma recuperação mais tranquila que a cesariana, deve ser realizado somente no hospital por conta da aparelhagem que pode ser necessária, da equipe, da recuperação da anestesia caso seja preciso, enfim, de outros processos que podem surgir ao longo do parto.

No hospital, quando a bolsa estoura e a mulher começa a sentir contrações e está a partir de 2 cm de dilatação, ela começa a ser preparada para dar à luz. Poderia ser de uma forma totalmente natural, porém, nesse modelo pode haver intervenções médicas, como medicações para incentivar a dilatação e anestesias, como a raqui.

Além disso a mãe pode passar por essas situações, relatadas pelo portal especializado Ama Nascer:

  • lavagem intestinal;
  • raspagem dos pêlos pubianos;
  • retirar sua roupa e individualidade;
  • não ter liberdade de movimento;
  • não poder ingerir líquidos ou comer;
  • soro para acelerar as contrações;
  • não poder escolher a posição para ter seu bebê;
  • analgesia;
  • inúmeros toques vaginais;
  • rompimento da bolsa;
  • ter que ficar deitada com as pernas para cima;
  • alguém falando para ela fazer força antes da hora;
  • alguém empurrando a barriga da mulher;
  • corte no períneo (episiotomia);
  • corte precoce do cordão umbilical;
  • bebê separado da mãe para fazer os exames e tomar banho.

Cenas & Vídeos de Parto Natural

Agora que você já conhece tudo sobre parto natural, chegou a hora de ver cenas reais de mulheres que optaram por ele para o nascimento de seus bebês. Vale saber que até as mães que já tiveram filhos por outros partos, como cesárea, podem fazer essa escolha posteriormente.

Veja um vídeo sobre a experiência completa do parto natural feito em casa e depois fotos de diversas mães em diferentes momentos.

parto natural


Antes de decidir fazer o parto natural, em casa ou no hospital, converse com o seu médico para saber se é seguro para o seu caso, se há riscos, o local adequado, entre outras informações. Continue acompanhando nossos artigos para descobrir outras novidades sobre gestação e maternidade.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.